Por Barbara Empler


Quando um profano se volta para a Maçonaria para ser iniciado, a primeira pergunta que nos fazemos a respeito dele é se ele é perfectível; basicamente verificamos se existe esse elemento de fragilidade nele, aquele sentimento de "falta" que o faz ir em busca de algo que está além de si mesmo.


Muitas vezes nem mesmo o profano sabe o que está procurando, mas ele busca, se questiona, sem saber realmente se obterá as respostas. E então ele bate em uma porta, ela se abre para ele, ele não sabe o que vai encontrar do outro lado ... É mais pesquisa que o atrai. O esforço que deve ser desdobrado às vezes é o verdadeiro objeto de pesquisa, como o mistério, aquele véu que cobre tudo isso. É essa incerteza que o fascina, a deliciosa sensação de espera.


Mas, às vezes, o profano parece relaxado, às vezes satisfeito e com ar de saber tudo e não ter nada a aprender: a Maçonaria não se interessa pelo homem imbuído de certezas, preocupa-se apenas que se duvide de sua capacidade de passar nas várias provas.


A dúvida não atinge apenas o profano, mas também o maçom que deve apresentá-lo à sua instituição. Na verdade, devemos tentar entender, se admitido, ele tem a capacidade de se questionar constantemente a cada momento de sua jornada. O que quer dizer que a dúvida é o motor de todo processo de iniciação.


Mas de que dúvida estamos falando?


O cético, em um sentido filosófico, duvida que o homem possa alcançar o verdadeiro Conhecimento; sabemos que a mente humana é necessariamente limitada. Uma das sete verdades atribuídas aos antigos gnósticos afirma que "o visível é apenas a manifestação do invisível"


Essa é outra maneira de dizer que o mundo como ele nos parece é apenas uma ilusão. Um ensaio tibetano ilustra nossa ignorância com a metáfora da lua refletida na água. Em relação às coisas e eventos deste mundo, aos seres que encontramos, a maioria dos homens imagina que esse reflexo da lua na água constitui a realidade, embora seja apenas uma projeção dela. O Sábio sabe que a realidade última está em outro nível, tão inacessível quanto a lua. Um provérbio chinês diz: "Quando o Sábio aponta para a lua, o tolo olha para o dedo". Todos conhecemos o famoso mito da caverna de Platão, no Livro V da República.


Os homens estão acorrentados em uma caverna escura, eles nunca viram a luz do dia, eles têm apenas uma percepção tardia das sombras que se projetam na parede à sua frente. Se saírem para a luz do dia, ficarão deslumbrados porque seus olhos, acostumados às trevas, não suportam essa luz intensa. A partir daquele momento, é tentador voltar para a caverna e ficar lá. A ignorância, mesmo adornada com as penas de falsas certezas, é sem dúvida mais confortável do que a luta para se acostumar com a luz.

---

Send in a voice message: https://anchor.fm/malhete-podcast/message