Quando falamos de superstição pensamos em hábitos e crenças datadas e antigas, longe da racionalidade. Porém, um estudo recente sugere que pouquíssimas pessoas são realmente livres de alguma superstição. Seja com uma caneta da sorte para fazer uma prova, bater na madeira 3 vezes ou coçar a mão lembrando que é sinal de dinheiro vindo, essas ações exigem algum nível de tempo ou esforço, então por que perpetuamos elas no dia a dia?